Jornal do Cariri
OAB Crato denuncia parecer falso em escândalo na Câmara
Documento falsificado é datado do mês de junho de 2021
Foto: Reprodução/ Redes sociais
26/10/21 0:00

Vereadores e servidores da Câmara do Crato tomaram conhecimento, no fim de semana, de uma fraude com tipificação de falsidade ideológica, envolvendo o processo de cassação do presidente da Casa, vereador Florisval Coriolano (PRTB). O caso foi levado ao plenário da Câmara, durante a sessão desta segunda-feira (25), pelo presidente da OAB-subsecção Crato, Reno Feitosa Gondim.

Reno informou ter denunciado, no dia 20 deste mês, à Polícia Federal do Ceará, o uso de seu nome, assinatura e papel timbrado da OAB-Ceará, de forma indevida e sem consentimento das partes. O documento, protocolado na Superintendência da Polícia Federal, em Fortaleza, está aos cuidados do delegado federal Caio Rodrigo Pellim.

No pedido de providências, Reno reafirma seu total desconhecimento do referido “Parecer de violação das prerrogativas do advogado”, em favor de José Erlanio Rodrigues, que teria sido assinado por ele, contra os vereadores Florisval e Lucas Brasil (PSB), esse vice-presidente da Casa Legislativa. Reno requereu a abertura de investigação para apurar as responsabilidades e descobrir quem praticou o ilícito.

Apesar do documento falsificado trazer como vítima o advogado José Erlanio, ainda não há indícios que o ligue a prática. O documento falsificado pede providências ao Ministério Público do Estado para possíveis atos de violação das prerrogativas do advogado, além de aviltamento da honra e perseguição política.

Na sessão, Reno disse ter tomado conhecimento da fraude através de comentários em grupos de Whatsapp, quando iniciou a procura pelo documento. O presidente da OAB-Crato relacionou alguns fatos no documento e qualifica-os como grotescos, como o timbre da OAB Ceará com assinatura do presidente da OAB-Crato, ausência de número no documento, além do uso de linguagem que não condizem com seu usual.

Erlanio é autor de um pedido de cassação contra o presidente Florisval Coriolano, por condutas ilícitas no exercício do mandato. O pedido acabou sendo arquivado pelo plenário da Câmara, em 28 de junho deste ano. O documento falsificado é datado de 29 do mesmo mês, um dia após o arquivamento do processo contra Florisval. Não há confirmação oficial de que o documento falsificado foi protocolado no Ministério Público.

Durante a sessão, o presidente Florisval Coriolano lamentou o ocorrido e destacou que sempre acreditou na posição idônea e justa, por parte da OAB-Crato em situações dessa natureza. Florisval pediu que o caso seja apurado de forma célere e que os culpados sejam punidos. O advogado José Erlanio não se manifestou sobre o assunto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ