Jornal do Cariri
Novo prefeito

Missão Velha deve, enfim, empossar seu prefeito depois de sete meses do início de mandato eletivo. Derrotado em 2020, Rosemberg Macêdo, o Dr. Lorim, foi eleito neste domingo, 1º de agosto, com 52,87% dos votos válidos. Ele venceu a petista Maria das Graças, a Fitinha, que obteve 47,16%. Foram 11.994 votos contra 10.703, em uma campanha marcada pela tensão e pelas denúncias. A saída do ex-prefeito Washington Fechine do páreo é avaliada como fundamental para a derrota do grupo. Washington venceu Dr. Lorim, mas não tomou posse por impedimento da Justiça Eleitoral. Na Câmara, Dr. Lorim vai enfrentar um cenário preocupante, com maioria da oposição, o que pode dificultar seu governo, principalmente no início, quando os ânimos ainda estarão acirrados. O novo prefeito precisará de muita habilidade política para a discussão com o Legislativo. Habilidade que muita gente garante que Dr. Lorim não tem.

Eleição sem fim

A eleição de Missão Velha foi tensa e cheia de surpresas. Na semana que antecedeu o pleito, as redes sociais assistiram desde denúncias de compra de votos até a confirmação de um esquema de disseminação de notícias falsas, as fake news. As denúncias, feitas por ambos os lados, acabaram virando alvo de operação da Policia Federal, no dia 29 de julho, dias antes da eleição deste domingo. A PF cumpriu três mandados de busca e apreensão, por crimes de corrupção eleitoral, como compra de votos e violação do sigilo do voto. A investigação, que ainda não terminou, pode revelar muitas surpresas na eleição que parece não ter fim. Os mandados foram expedidos pela Justiça Eleitoral e cumpridos em domicílios de pessoas ligadas aos dois candidatos. A PF não revelou nomes e garante que a operação foi preventiva. Será?

Tentando reconstruir

O deputado estadual Guilherme Landim iniciou uma articulação para manter o grupo de oposição em Mauriti unido. Na sexta-feira (30), Guilherme se reuniu com representantes, lideranças e vereadores do PDT, DEM e PROS do Município, para uma conversa sobre o futuro do grupo e a atuação na Câmara. O grupo tem sete parlamentares, mas com atuações desarticuladas. Guilherme acredita que a afinidade no discurso é importante para manter o grupo unido para as próximas eleições. O próximo desafio do grupo é votar unido nas eleições de 2022. A disputa servirá de parâmetro para 2024 na eleição municipal, quando voltam a enfrentar o grupo petista, que hoje governa o Município. O primeiro passo foi dado, houve o reconhecimento da liderança de Guilherme, que nos bastidores, tem o nome citado para compor a chapa majoritária dos irmãos Cid e Ciro Gomes.

Mudança de lado

O prefeito de Milagres, Cícero Figueiredo, parece adotar a tática da paciência na política caseira e da boa articulação na externa. E, sem dúvidas, a tática está dando certo. No dia 27 de julho, a vereadora oposicionista Renata Sayonara foi às redes sociais para anunciar sua adesão ao grupo de sustentação ao prefeito Figueiredo, com um discurso simples: “estou sendo abraçada. Me sinto à vontade. Estou em casa”. Renata foi eleita pelo PSD do ex-prefeito Hellosman Sampaio, e do candidato derrotado Abraão Sampaio. A mudança de lado proporciona, além de um grande golpe na oposição, uma margem segura para Figueiredo nas votações de interesse do seu governo. Com a adesão, Figueiredo passa a ter oitos dos 11 parlamentares, ou 2/3 da Câmara. Na oposição, o sentimento é de traição, mas não há ameaça de expulsão.

Voos mais altos

O bom momento na política interna fez com que o prefeito de Milagres, Cícero Figueiredo, arriscasse voos mais altos. No apagar das luzes de julho, Figueiredo intensificou sua liderança regional ao convocar os prefeitos de Abaiara, Afonso Tavares, e o interino de Mauriti, João Paulo, ambos do PT, para discutir a atuação nas fronteiras dos três municípios. Figueiredo abriu o debate para melhoramento das estradas e do atendimento à população das fronteiras. A articulação fortalece a cobrança conjunta por melhorias junto aos governos estadual e federal, além de parlamentares do estado e federal. No dia 28, Figueiredo recebeu o deputado federal e presidente estadual do PDT, André Figueiredo. Parte das demandas levantadas com os prefeitos Afonso e João Paulo chegou às mãos de André, que prometeu encaminhá-las em Brasília.

Herança bendita

Apesar da comemoração por pessoas ligadas ao prefeito Deda Pereira, a 3ª colocação de Farias Brito nos indicadores de saúde do Ceará não é mérito da atual gestão. Entre as avaliações, o enfrentamento à pandemia de covid-19 e a atenção primária, tudo referente a 2020. Um grande líder é reconhecido pela capacidade, primeira, de reconhecer o mérito dos adversários. Parece não ser o caso, apesar do prefeito não ter se manifestado. A avaliação omissa veio de um perfil nas redes sociais, ligado ao Município, que usou a informação para execrar a ex-secretária de Saúde, Sheila Martins, omitindo que os números são referentes a 2020, justamente durante sua gestão na Saúde. A base de oposição disse que prefere esperar a avaliação do Estado sobre 2021 para se manifestar. Neste ano, a gestão Deda já enfrentou a crise do oxigênio e denúncia de morte por negligência.

Enquanto isso...

... Ainda em Farias Brito, os problemas para o prefeito Deda continuam. Depois de uma discussão acalorada, Deda exonerou seu chefe de gabinete, o empresário Osmanio Pereira. Os dois teriam discutido a ponto de quase chegar às vias de fato. Chaves teriam voado entre os dois e a confusão só acabou com a chegada da turma do “deixa disso”.

... Apesar das poucas informações sobre o acontecido na Serra do Quincuncá, a discussão teria sido por divergências financeiras. Deda não estaria cumprindo o prometido a Osmanio, que não teve cerimônias para cobrar o prometido. Na oposição, a avaliação é que o governo está sem rumo. Uma reforma no secretariado está sendo comentada.

... Em Araripe, o presidente da Câmara, Zé Gordinho, terá que traçar uma nova estratégia para uma provável eleição suplementar no município. Zé Gordinho se reuniu com o ex-senador e presidente do MDB no Ceará, Eunício Oliveira, para anunciar a parceria com o ex-prefeito Giovane Guedes. Acabou recebendo um “não” como resposta.

... Eunício não aceitou a aliança com Giovane e deu um ultimato: se ela acontecer, Zé Gordinho pode procurar outro partido. Eunício qualifica Giovane como traidor. Na eleição de 2018, Giovane trocou Eunício por Eduardo Girão para o Senado. É bom lembrar que o ex-prefeito não conseguiu eleger o primo Roberto Guedes para prefeito em 2020.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ