Jornal do Cariri
Impresso
x
Acesse sua conta
Em breve.
Baixar Versão impressa
Hospitais têm o menor índice de ocupação de leitos covid
Índice, que era superior a 90% desde março, apresentou redução nas últimas semanas
Foto: Governo do Ceará
Robson Roque
20/07 8:00

A macrorregião de Saúde do Cariri registra, desde a semana passada, as menores taxas de ocupação de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) durante a segunda onda da pandemia. O índice, que era superior a 90% desde março, manteve uma média de 73% nos primeiros 15 dias de julho e atingiu o menor percentual desde março, com 61% nesta segunda-feira (19). Hospitais como o Regional do Cariri, em Juazeiro do Norte, São Francisco, em Crato, e Santo Antônio e São Vicente, em Barbalha, contabilizam queda na ocupação de UTIs. Os dados demonstram que a vacinação surte efeitos para a redução dos indicadores da pandemia. O cenário de redução, no entanto, não significa que a pandemia está controlada: os novos registros de infecção pelo novo coronavírus e as mortes por covid-19 ainda causam preocupação às autoridades sanitárias e de saúde na região.

A taxa de ocupação está vinculada à quantidade de pacientes em tratamento contra a covid-19 em hospitais da região. Atualmente, existem 94 UTIs ativas na região do Cariri, 60 das quais estão com pacientes em tratamento. A demanda por leitos era maior no ápice da pandemia, em maio e junho. No quinto mês, existiam 147 UTIs ativas e 132 ocupadas e no sexto mês haviam 148 disponíveis e 144 com pacientes. O Hospital Regional do Cariri, que chegou a ter todas as 73 UTIs ocupadas no final de maio e 63 das 68 com pacientes no final de junho, registra uma demanda em queda e até alcançar a marca de 35 pessoas internadas nesta segunda-feira (19), a menor quantidade desde março. Contexto semelhante ocorre com outros hospitais, como o São Francisco, em Crato, o São Vicente e o Santo Antônio, em Barbalha, e o Hospital Geral de Brejo Santo, cuja demanda por tratamento contabiliza uma diminuição considerável.

Médica e pneumologista pediátrica com atuação em Juazeiro do Norte, Kaline Cristh afirma que o cenário de redução é resultado do avanço da vacinação no Cariri. “Mesmo com a circulação viral ainda alta no país, temos visto menos casos de morte, principalmente na faixa etária dos idosos ou nos portadores de comorbidades. E isso, sim, pode ser traduzido com um dos reflexos da vacinação. Porque esse grupo, a maioria já recebeu, senão todos, a segunda dose da vacina. Então tem uma imunização mais efetiva”, considera. Ela alerta, entretanto, para a necessidade de que as medidas de prevenção contra o coronavírus sejam mantidas.

“Tanto nos Estados Unidos quanto na Europa, a questão do relaxamento do uso de máscara, principalmente, foi efetivada a partir do momento que eles atingiram mais de 50% da população vacinada e que tem baixo nível de circulação viral. O que não é o nosso caso. E ainda temos o perigo das variantes. Embora a maioria das vacinas tenha efetividade também para esses grupos variantes, muitos deles ainda não conhecemos bem. Então, não só a população do Cariri, como de todo o Brasil, temos que manter, ainda, os cuidados, porque a pandemia ainda não acabou”, argumenta Kaline Cristh.

Mesmo com a diminuição dos indicadores já retratados pelo Jornal do Cariri em edições anteriores, é importante salientar que 41 pessoas morreram em decorrência da covid-19 nos primeiros 15 dias de julho, somente em Crato (três mortes), Juazeiro do Norte (23 óbitos) e Barbalha (15). Na sexta-feira (16), o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), afirmou que acompanha a queda nos índices de casos e óbitos, bem como o ritmo de vacinação no Estado. “Reforço que, para evitarmos retrocesso nesta queda dos índices, é preciso seguir respeitando as regras sanitárias, como evitar aglomerações e sempre usar a máscara”. O governador também comentou que mantém as ações para ampliar a vacinação. As declarações foram dadas no mesmo dia em que o Ceará ultrapassou a marca de cinco milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose e recebeu mais 176 mil doses de imunizantes. “Esse lote nos permitirá avançar no processo de imunização dos cearenses”, destacou Camilo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ