Jornal do Cariri
Impresso
x
Acesse sua conta
Em breve.
Baixar Versão impressa
Crise do coronavírus terá reflexos nas eleições 2020
Medidas adotadas pelos governantes durante o período crítico da pandemia podem influenciar na aprovação popular, tendo em vista as eleições deste ano.
Robson Roque
07/05 23:33

As medidas de enfrentamento ao novo coronavírus, tomadas por prefeitos caririenses, vão impactar a imagem dos gestores que tentam a reeleição. A opinião é do professor Roberto Siebra, do curso de Ciências Sociais da Universidade Regional do Cariri (Urca). Algumas das atitudes, sobretudo o isolamento social, são vistas como antipáticas por parte da população e pelos setores produtivos de maneira mais acentuada. Para ele, a repercussão das iniciativas pode ser positiva ou negativa e depende da postura dos prefeitos em cada caso. Ele cita o presidente Jair Bolsonaro e o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), como exemplos antagônicos de tratamento da crise da Covid-19. 

“Essas medidas, que são muito específicas no Município, vão impactar, sim, a imagem dos prefeitos. Assim como ela impacta na figura dos políticos do ponto de vista negativo, também impacta positivamente. Isso é uma questão de que lado você está do discurso e da prática política”, diz o professor Roberto Siebra. Ele cita o exemplo do governador Camilo Santana (PT): “Temos acompanhado pesquisas e as atitudes do Governo do Estado do Ceará têm impactado positivamente, a ponto de termos um dos governadores mais bem avaliados neste momento, pelas atitudes que ele tem tomado em relação ao coronavírus”.

No caso das prefeituras, o professor enxerga particularidades. “O prefeito está mais perto da população. É ele quem convive com ela e quem, na prática, tem que tomar as atitudes. É ele que está na linha de frente da batalha. Aí eu não tenho a menor dúvida que, independente do prefeito e do partido, vai haver um desgaste violento em relação às atitudes tomadas por esse gestor público”, analisa. A pandemia causada pela covid-19 ocorre em ano de eleições municipais, com o pleito até aqui mantido para outubro. Somada à crise de saúde está a rejeição que políticos enfrentam nos últimos anos. “A política estava praticamente passando por um processo de rejeição mundial, em virtude de uma série de questões contemporâneas, como a crise da democracia, assim como a crise de outras alternativas postas, como a do socialismo”, ressalta.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ