Jornal do Cariri
Impresso
x
Acesse sua conta
Em breve.
Baixar Versão impressa
Cia apresenta cultura do Cariri em trabalhos artísticos
Com uma mistura de contos, lendas, brincadeiras e o cenário repleto de elementos regionais, o grupo exite há dez anos.
Foto: Arquivo pessoal.
Luan Moura
18/03 17:04

Com uma mistura de contos, lendas, brincadeiras e o cenário repleto de elementos regionais como paisagens e musicalidade, a Companhia Luz do Conto apresenta a cultura do Cariri em espetáculos artísticos há dez anos. O trabalho atende a todas as idades, principalmente o público infantil. O grupo surgiu em 2008 com um trio de amigos: Um tocando violão, outro narrando e uma terceira confeccionando bonecos, mas ainda não tinha nome.

Atualmente a Cia é formada por Airton Santos como percussionista e técnico de som; Sidália Maria, musicista e percussionista; Bette Gomes na narração das histórias e Artur Rodrigues como bonequeiro e editor de vídeo. Segundo a narradora Bette Gomes, para a construção dos espetáculos, aequipe começa com a realização da pesquisa da literatura escrita de trabalhos locais e internacionais, bem como a literatura oral e ouvindo os contadores de histórias tradicionais. “Para chegar ao espetáculo, passamos, cuidadosamente e com muito carinho, por várias etapas: A leitura ou escuta do texto e músicas, a escolha do repertório, aprofundamento do conteúdo escolhido, preparação, produção de material, estudo dos elementos em cena, revisão, digitação, edição, dentre outros”, explica Bette.

O trabalho mais atual chama-se Memórias de Mãezinha no tempo do Padre Cícero. A trama conta a memória de Maria Rodrigues, que nasceu em 1903 e vivenciou a morte do Padre Cícero. Ele veio da Baixa Verde Pernambuco e passou a morar na região na época do Padre Cícero e da Beata Maria de Araújo.

Como todo grupo que faz parte do setor de eventos, que trabalham diretamente com as pessoas, o grupo relata o período difícil de apresentar no contexto da pandemia. “Tem sido bem difícil nos distanciarmos do nosso público maior que é o infantil. Faz muita falta o olhar das crianças. Desde o início da pandemia passamos a utilizar esse novo formato nos apresentando através das redes sociais. Temos participado de apresentações virtuais pelo Sesc, Instituto Dragão do Mar, Secretaria de Cultura de Fortaleza, dentre outros”, destaca. Prêmios da Lei Aldir Blanc também têm contribuído para o trabalho do grupo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ