Jornal do Cariri
Barbalha, Missão Velha e Brejo Santo recebem CeArt Itinerante
Ação leva serviços para ampliar o atendimento a artesãos
Foto: Reprodução Instagram
GENEUZA MUNIZ
30/11 9:27

A Região do Cariri recebeu, na última semana, a Central de Artesanato Itinerante (CeArt), com oficinas de artesanatos, cadastros, renovação de identidades artesanais, credenciamento, certificação de produtos, palestras, exposição e venda de peças. A ação tem como objetivo levar serviços para ampliar o atendimento e profissionalização de artesãos de diversos municípios. No Cariri, Brejo Santo, Missão Velha e Barbalha foram beneficiados. 

Missão Velha conta com 63 artesãos e uma associação, Barbalha tem 373 artesãos e uma associação. Já Brejo Santo tem 138 artesãos cadastrados. As técnicas predominantes no Cariri são o crochê, bordado, trançado na fibra de bananeira e argila.  Através da emissão de identidades artesanais, se reconhece a legitimidade do artesanato e traz benefícios como a venda de produtos, a capacitação em cursos gratuitos de aprimoramento e atualização de técnicas bem como a participação em feiras nacionais e internacionais com o apoio da CeArt.

O Jornal do Cariri conversou com a coordenadora de Desenvolvimento do Artesanato do Estado do Ceará, Patrícia D'Oliveira Liebmann. Ela explica que, ao longo desses dias, foram 156 atendimentos, entre novas carteiras, renovações de cadastro, curadoria de peças e participação em oficinas e palestras. “Somente em Barbalha, a expectativa é de mais de cem atendimentos”. A região do Cariri conta com cerca de 5 mil artesãos ao todo e aqueles cadastrados na CeArt são isentos de ICMS.

A estudante e artesã Vivian Lays Moura, de 17 anos, aproveitou a oportunidade para tirar sua carteira de identidade artesanal. “Para mim, é muito importante ter esse reconhecimento, porque querendo ou não, os artistas são desvalorizados no nosso país, principalmente quem mora em cidade pequena”, disse.

Já a artesã Cícera Selma, que preside a associação Fibrarte, em Missão Velha, e trabalha com fibra de bananeira, explica que o grupo tem um projeto para ensinar mulheres da cidade a fazer artesanato dessa matéria prima. Ela está participando da feira e fala um pouco sobre a associação. “Está sendo muito importante, pois elas estão ganhando uma renda extra. Muitas pessoas chegam à nossa associação com depressão. Todos os dias chegam pessoas novas, despertou nas pessoas o gosto pelo artesanato”. Ela avalia que a CeArt possibilitou que as novas artesãs obtivessem suas identidades. 

A Central de Artesanato do Ceará é uma ação governamental para desenvolver o artesanato cearense, vinculada à Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ