Jornal do Cariri
Aumento de casos suspeitos de covid desafia novas gestões
Em Juazeiro, casos suspeitos tiveram aumento superior a 700%
Crajubar voltou a ter alta significativa nos casos suspeitos de covid-19. Foto: Divulgação/Josué Damacena (IOC/Fiocruz)
Madson Vagner
24/11/20 8:30

As duas maiores cidades da região do Cariri, Crato e Juazeiro do Norte, voltaram a ter uma alta significativa nos casos suspeitos de covid-19. O problema tem ocasionado um aumento na procura por equipamentos de saúde e se torna um desafio a mais para os novos gestores eleitos. Prefeitos, novos e reeleitos, iniciam o mandato em 1º de janeiro de 2021.

O caso mais preocupante acontece em Juazeiro do Norte, que teve um aumento de 704% nos casos suspeitos, entre os dias 27 de setembro, início da campanha eleitoral, e 15 de novembro, dia da eleição. Os casos saltaram de 21 para 148 no período correspondente. No mesmo período, o número de mortes saltou de 286 para 311, um aumento de 25 óbitos. No boletim epidemiológico do dia 22, por exemplo, já eram 315 óbitos e 208 suspeitos. Apesar da alta em casos suspeitos, em Juazeiro houve diminuição nas infecções e, no período, o número caiu de 674 para 372, uma redução de 55%. Já entre os hospitalizados, o número saiu de 19 para 16.

No Crato, os casos suspeitos saltaram de 285 (27 de setembro) para 574 (15 de novembro): um aumento superior a 100%. O número de mortos saltou de 87 para 101, um aumento de 14 óbitos. Entre os infectados, outro aumento significativo, saltou de 60 para 116, totalizando crescimento de 193%. Entre os hospitalizados, o número se manteve em três.

Em Barbalha, houve o menor percentual de aumento de casos suspeitos, cerca de 11%, mas em números absolutos a situação preocupa. O índice foi de 1.058 para 1.174, um aumento de 116 casos. No mesmo período, os casos de infecção baixaram de 43 para 33, uma redução de 24%. Já os óbitos foram de 56 para 60, quatro a mais.

O prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra (PTB), disse que a gestão está preparada para receber as demandas. Segundo ele, as unidades da Lagoa Seca, Sentinela e hospital de campanha continuam a espera de um possível aumento na procura. Arnon alerta que a pandemia ainda não passou e que fará todos os esforços para conter uma segunda onda.

O prefeito eleito Glêdson Bezerra (Pode) disse temer uma segunda onda e que, ao assumir o cargos, não medirá esforços para conter a crise no Município. Glêdson garante que, caso seja preciso, aumentará a estrutura existente para atender a população.

Em Barbalha, o prefeito Argemiro Sampaio (PSDB) explica que a estrutura para receber os casos está montada é que será ativada, caso seja necessário. O prefeito eleito Guilherme Saraiva (PDT) garante que tudo será feito para melhorar ainda mais o sistema hospitalar para que a crise não se agrave.

O prefeito reeleito do Crato, Zé Ailton Brasil, diz que a atual estrutura tem suportado bem e que se precisar vai aumentar os equipamentos e profissionais para atender a população em uma possível segunda onda da covid-19.

Leia a matéria completa na edição do Jornal do Cariri desta semana, que está disponível para download na aba IMPRESSO.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ
PUBLICIDADE
RECOMENDADAS PARA VOCÊ